História de Maria – História de José – É mês de maio.

Revela com sua vida que o Deus que trabalha sem cessar na santificação de Suas obras, é o mais desejoso de trabalhos santificados

A Igreja, providencialmente, nesta data civil marcada, muitas vezes, por conflitos e revoltas sociais, cristianizou esta festa, isso na presença de mais de 200 mil pessoas na Praça de São Pedro, as quais gritavam alegremente: “Viva Cristo trabalhador, vivam os trabalhadores, viva o Papa!” O Papa, em 1955, deu aos trabalhadores um protetor e modelo: São José, o operário de Nazaré.

O santíssimo São José, protetor da Igreja Universal, assumiu este compromisso de não deixar que nenhum trabalhador de fé – do campo, indústria, autônomo ou não, mulher ou homem – esqueça-se de que ao seu lado estão Jesus e Maria. A Igreja, nesta festa do trabalho, autorizada pelo Papa Pio XII, deu um lindo parecer sobre todo esforço humano que gera, dá a luz e faz crescer obras produzidas pelo homem: “Queremos reafirmar, em forma solene, a dignidade do trabalho a fim de que inspire na vida social as leis da equitativa repartição de direitos e deveres.”

São José, que na Bíblia é reconhecido como um homem justo, é quem revela com sua vida que o Deus que trabalha sem cessar na santificação de Suas obras, é o mais desejoso de trabalhos santificados: “Seja qual for o vosso trabalho, fazei-o de boa vontade, como para o Senhor, e não para os homens, cientes de que recebereis do Senhor a herança como recompensa… O Senhor é Cristo” (Col 3,23-24).

São José Operário, rogai por nós!

Vou lhe contar uma história
de uma jovem chamada Maria,
em Nazaré da Galileia
outra igual eu não sei se existia.
Não sei se eram verdes seus olhos,
se tinha cabelos morenos,
só sei que Maria de Nazaré,
resolveu se casar com José.Vou começar minha história
relembrando as garotas de então,
em Nazaré da Galileia
o assunto era libertação.
Não sei se eram verdes seus olhos
se tinha cabelos morenos,
só sei que Maria de Nazaré,
resolveu assumir sua fé.

Vou prosseguir minha história,
relembrando as idéias que havia,
em Nazaré da Galileia
a mulher muito pouco valia.
Não sei se eram verdes seus olhos,
se tinha cabelos morenos,
só sei que Maria de Nazaré,
foi a santa mulher de José.

Vou recordar nesta história
as batalhas que o mundo hoje trava,
em Nazaré da Galileia
lá também já se massificava.
Não sei se eram verdes seus olhos,
se tinha cabelos morenos,
só sei que Maria de Nazaré,
inda não conhecera José.

A jovem senhora um dia
recebeu um recado divino,
por ela o amor nasceria
a verdade seria um menino.
Não sei se eram verdes seus olhos,
se tinha cabelos morenos,
só sei que Maria de Nazaré,
aceitou, mas não disse a José.

 

A jovem senhora um dia
recebeu um recado divino,
por ela o amor nasceria
a verdade seria um menino.
Não sei se eram verdes seus olhos,
se tinha cabelos morenos,
só sei que Maria de Nazaré,
aceitou, mas não disse a José.

Vou lhe falar da agonia,
que nos dois corações se criou,
pois ela explicar não podia
e o marido, julgar não ousou.
Não sei se eram verdes seus olhos,
se tinha cabelos morenos,
só sei que Maria de Nazaré,
mereceu o amor de José.

Para Belém noite e dia,
caminharam pro recenseamento,
ninguém deu abrigo a Maria,
não havia mais alojamento.
Não sei se eram verdes seus olhos,
se tinha cabelos morenos,
só sei que no ventre daquela flor,
rejeitaram o libertador.

Vou terminar minha história,
recordando os casais de hoje em dia,
em Nazaré da Galileia
o divórcio também existia.
Não sei se eram verdes seus olhos,
não sei se foi loira ou morena,
só sei que Maria de Nazaré,
foi fiel a seu Deus e a José.

Essa matéria foi visualizada 283 vezes.